domingo, 27 de abril de 2014

Falso Arco-íris



No começo desse mês recebi a informação através de um colega sobre uma morte em São Paulo que me pegou de surpresa, não porque fossem de pessoas próximas até porque não eram mas a forma como tudo aconteceu e o contexto da coisa, são quase um convite a uma reflexão sobre certos aspectos da "vida gay".

Dois corpos mortos num quarto de motel, vestígios do uso de drogas e sim, eram gays, um casal de namorados. Um deles matou o companheiro e em seguida cometeu suicídio. Pelo que soube eram jovens e seguiam um perfil conhecido na cena gay: casal aberto, orgias, festas, drogas, corpos perfeitos, moldados em academia, roupas de grife e perfumes caros. Nada incomum num mundo onde a futilidade é presente, o culto ao corpo é inevitável, e na maioria das vezes você vale mais pelo que tem ou aparenta ter do que pelo que realmente é.

A pedido não vou revelar nomes e nem me estender muito nos comentários, mas o fato é que poderia ser eu, você, ou qualquer conhecido. Dividas, um "amor" desregrado e essa necessidade de se sobrepor sobre o outros. Até quando? O problema não são as relações abertas, as drogas, as orgias ou a futilidade, mas sim a intensidade e a profundidade de tudo isso.

Precisamos ter cuidado não só com o que temos, mas com quem andamos e o que fazemos. Minha intenção aqui não é julgar a relação aberta de ninguém, ou orgias ou essa mania de comprar roupas caras como uma forma de chamar a atenção, ser aceito ou desejado ~ tudo futilidade, e que sabemos não leva a lugar algum.
A falta de regras, de respeito, seja com você ou com quem está ao seu lado, esse e o problema.
Ser gay não é ser fútil, muito menos afundar sua vida tentando ser algo que não é, ou pulando de balada em balada, entre bebidas e drogas, tentando saciar uma necessidade que não se preenche nesse tipo de local, isso é burrice.

Enfim, que historias tristes como essas não se repitam, que a nova geração de gays seja mais aberta a pluralidade de formas, de raças, de corpos, de amores e de pessoas. Que a futilidade e vaidade, intensas e extensas do mundo em geral seja ele gay ou não, não derrube outras vítimas.





Fonte: http://www.paramocinhos.com.br/

segunda-feira, 7 de abril de 2014



INFORMAÇÃO



A SAUNA Up POR MEIO DESTE VEM INFORMAR QUE ESTAMOS ATENDENDO DAS 18:00 AS 23:00 HORAS DE TERÇA A DOMINGO.
VALOR DE ENTRADA R$ 20,00.
COM ALTERAÇÃO NA ESTRUTURA DE RECEPÇÃO, ONDE O CLIENTE ENCONTRA  A PORTA DE ENTRADA FECHADA SENDO NECESSÁRIO EMPURRA-LA PARA TER ACESSO A RECEPÇÃO. SENDO LIBERADA A ENTRADA POR MEIO DE IDENTIFICAÇÃO POR INTERFONE. MAIORES INFORMAÇÕES 9130-7797.

************************************************//********************************
VEM AI BLACKOUT NA SAUNA UP.



domingo, 9 de março de 2014

Os 6 Melhores momentos para se fazer sexo

E o melhor é pode variar as posições, as fantasias, os machos e os locais. A revista Cosmopolitan americana acabou fazendo uma pesquisas com as mulheres que leem a publicação e perguntaram quais os melhores momentos para fazer sexo gostoso durante. O resultado foi esse ranking gostoso e que claro eu adaptei [apenas o texto] para a nossa realidade colorida, máscula e anal

1º Em uma manhã preguiçosa de sábado: Você acorda no sábado, não tem trabalhado [a regra não se aplica as gays funcionárias do telemarketing], seu boy tá alí, do seu lado, só de cueca [ou nú] e você já acordou de neca dura e o tesão batendo. Não tem outra, é só de dedicar e boa sorte

2º Na hora de dormir: Pura magia e sedução, antes de dormir, pra ter bons sonhos não há coisa melhor. Mas por favor, nada de pijama, apenas um cueca boxer daquelas que seduz, dai na hora de deitar você pula em cima do seu macho [se você tiver um] e boa sorte.

3º Durante uma tempestade: Existe coisa mais romântica do que transar na hora da chuva? O barulho dos trovões, os raios, o clima frio e a última coisa que você vai querer é sair de cima dele




4º No meio do dia: Só pra fugir da rotina sabe? Tanto faz se vai ser apenas uma escapadinha durante o almoço, ou no meio do expediente, ou em uma tarde preguiçosa e quente de domingo. Sexo não faz mal a ninguém

5º Depois do trabalho: Você tá de cabeça cheia, ele também, o stress batendo e então depois do trabalho pow ~ os dois ali juntos aliviando toda a tensão do pós-job. É melhor até do que happy hour ~ aliás, leva umas bebidas pra cama e faz o seu happy hour pessoal com ele.

6º À noite, em um estacionamento: O carro fechado, o movimento, o vapor manchando os vidros e claro, o risco de ser pego levando a adrenalina ao extremo. (Só cuidado pra não ser preso por atentado ao pudor kkkkk)


Fonte: http://www.paramocinhos.com.br/

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Bate Papo UOL agora é aplicativo para celular

Galerinha hoje temos uma novidade, na verdade uma "inovação" com o antigo bate papo Uol, que era a melhor ferramenta de "catação e encontros gays" antes dos celulares android lançarem seus famosos aplicativos gays.
A novidade é a UOL lançou uma versão aplicativo para mobile. Isso mesmo , agora você já pode baixar o bate papo da UOL para o seu Android e iOS e bater aquele papo gostoso, marcar aquele sexo safado.


O aplicativo é super prático, e mantem todas as características da versão web, como as salas por idade, região, e claro, aquela divisão gostosa sexo + gays + cidades. Além disso o BP UOL Mobile traz ainda a possibilidade de bater papo com as pessoas mais próximas a você.

Para quem ficou curioso, já pega o celular, baixa e depois conta pra gente se deu certo.



sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

O que todos querem é mamar!

Um bom boquete e aquela pegada...

Seja ativo ou passivo, quase que 100% dos homens querem mesmo é botar uma bem grande na boca. Alguns fazem carão, dizem que não tem coragem ou vontade mas, na hora do tesão, caem de boca como se não houvesse amanhã. Enquanto a grande maioria quer 'chupar o pau do outro', metade quer somente 'meter na boca do outro'. Ou ainda, para cada dois ou mais boqueteiros, apenas um macho disposto a ser chupado.
Apostando nisso, muitos passivos exibem o pacote ou até o pau duro durante a pegação, atraindo o outro com a 'propaganda enganosa', mas que costuma funcionar assim mesmo - aliás, se todos querem chupar... E acabam tendo que pôr pra mamar também.
Em outras palavras, é mais fácil encontrar um passivo que não curte fazer um boquete do que um ativão. Contudo, não podemos fazer nenhuma ligação com a preferência sexual (ativo / passivo), haja vista que a grande maioria pode desempenhar os dois papéis na cama - versátil. Culturalmente, os gays cresceram dentro do armário, ocasionando uma grande incidência de sexo com desconhecidos, talvez pela necessidade de aproveitar a rara oportunidade de experimentar um dos seus objetos de desejo secreto: o corpo masculino - 70% dos homens transam ou fariam sexo com desconhecidos.
Se o homem é mais ligado à visão, ao tato, ao corpo... (ao palpável), ao momento isolado do contexto (desconexo), mais do que as mulheres, que preferem algo mais abrangente, entra também a questão do sexo confessional, geralmente agressivo, com direito a não encontrar nunca mais com o cabra - uma maioria de 61% dos homens apreciam o hard sex.
Também se relacionam aqui os prostíbulos, inferninhos... com salas escuras e glory holes que dispensam qualquer outro vínculo entre os parceiros, a menos que o estritamente sexual. Nas saunas, cabines e cinemas pornô, para quem procura ativos, a briga é de quem bota a mão primeiro, como se dissessem 'peguei primeiro!' e 'então, serei a passiva', antes que o outro queira desempenhar o mesmo papel
Além de muito excitante, o sexo oral pode ser associado como ato de submissão ao parceiro, sendo evitado por aqueles que não saem do armário nem debaixo de outro macho. 'Botar pra mamar' é um ato por si só violento (de violação), de dominador para dominado. Por outro lado, esta é a principal fantasia erótica de muito machão e bissexuais.
Tanto 'botar pra mamar' quanto 'deixar que metam na sua boca' são grandes prazeres relacionados ao fascínio pela anatomia masculina (ofalo), ou na fantasia sexual atrelada à dominação - a 'espada'.
Bater com o pau na cara, apertar o troço com as mãos e... encher a boca numa bem grande, são fantasias que nem sempre se realizam na real (por medo, tabu, timidez ou orgulho masculino) mas, com certeza, é fato constante durante a masturbação, onde a imaginação pode ser contemplada ao máximo, e sem ninguém ficar sabendo.
Nos chats ou comentários das redes sociais direcionadas à pegação gay é muito mais fácil encontrar gente querendo fazer passivo ou, simplesmente, pegar numa rola e chupar. Mas, ver homem procurando outro, com o discurso de ativo 100% e caçando gente pra só chupar o seu pau é muito mais raro - isso, entre os poucos que se arriscam, uma vez que na hora H a coisa pode mudar fácil de figura.





Fonte:http://homemrg.blogspot.com.br/